Atualize seu navegador!
Notícias

SEDENTARISMO - CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DE FICAR PARADO

Causas e consequências de ficar parado

Hidratar-se adequadamente: Deve-se ingerir líquidos antes, durante e depois de exercícios. A perda excessiva de líquidos e a desidratação constituem a principal causa de mal-estar durante a atividade.

O sedentarismo é um comportamento induzido pelos hábitos decorrentes dos confortos da vida moderna. Com a cada vez maior evolução da tecnologia e a consequente substiuição das atividades que demandam gasto de energia por ela, o ser humano acaba adotando a lei do menor esforço, o que acarreta um consumo menor da energia do seu corpo. De acordo com a medicina moderna, é considerado sedentário o indivíduo que gasta menos de 2.200 calorias nas chamadas atividades ocupacionais. Deve-se praticar pelo menos 30 minutos de atividades de atividade física de lazer por dia, pelo menos cinco vezes por semana. 

Segundo artigo do coordenador do Centro de Medicina da Atividade Física e do Esporte (Cemafe) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Turíbio Leite de Barrros, a vida sedentária provoca literalmente "o desuso dos sistemas funcionais", que entram em um processo de regressão, o que pode significar a atrofia dos músculos, a perda da flexibilidade das articulações e comprometimento do funcionamento de vários órgãos. 

O sedentarismo, considerado pela OMS o quarto maior fator de risco de mortalidade, é uma das causas do aumento de doenças como hipertensão arterial, obesidade e diabetes, além de ser o principal responsável pelas mortes súbitas, uma vez que está associado direta ou indiretamente às causas ou a agravamento da maioria das doenças. De acordos com estudos, ele é responsável por pelo menos 21% dos casos de tumores malignos na mama e no cólon, assim como por 27 % dos registros de diabetes e 30 % das queixas de doenças cardíacas.

Consultar seu médico: Qualquer dúvida ou desconforto, procure orientação profissional. Realizar uma avaliação física para elaborar de um programa de treinamento será uma atitude de grande utilidade prática. Não se deixe levar por propagandas, muitas vezes enganosas, recomendando outros recursos para substituir os benefícios do exercício ativo e prometendo resultados milagrosos.

Como deixar de lado o sedentarismo

Usar roupas adequadas: A função da roupa durante o exercício é proporcionar proteção e conforto térmico. Agasalhos que provocam aumento excessivo da sudorese devem ser evitados porque causam desconforto e desidratação

Um dos principais males da sociedade moderna, o sedentarismo já é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como o quarto maior fator de risco de mortalidade, perdendo apenas para as doenças relacionadas à pressão alta, ao fumo e à diabetes. Esta edição do Especial Cidadania traz informações para ajudar a entender por que o sedentarismo - considerado uma doença pela OMS desde 2002 - tem se disseminado com tanta rapidez, alcançando 26 % dos brasileiros, além das maneiras para ajudar a evitá-lo. 

Inatividade 

104675

Idosos são grupo de risco para o problema

O envelhecimento é associado à perda de massa muscular com redução da força muscular, da flexibilidade e da função pulmonar entre outros aspectos. Por isso, os idosos são considerados um importante grupo de risco para o sedentarismo, que pode ser caracterizado nessa faixa etária pela prática de atividades físicas com tempo inferior a 150 minutos por semana.

Em idosos, especialmente, o sedentarismo é considerado perigoso para a ocorrência de situações como a obstrução das artérias do coração por placas de gordura. Alguns estudos, inclusive, apontam que o risco relativo de doença arterial atribuído ao sedentarismo é comparável ao risco da pressão alta, do colesterol elevado e do tabagismo. 

O exercício físico melhora a qualidade do sono, função cognitiva (mental) e memória de curto prazo, diminui o grau de depressão, reduz ou atrasa o aparecimento de demência, reduz o risco de câncer de cólon, mama, próstata e reto, aumenta a densidade óssea e diminui o aparecimento de fraturas de fêmur e vértebras.

Kenia Mara Baiocchi dá dicas de como o idoso pode se movimentar:

— Eles podem praticar pequenas atividades, como passeios a pé ou freqüentar grupos de dança da melhor idade. Visitar os filhos e brincar com os netos também pode melhorar o humor e os movimentos dos idosos — ensina.

Como se vê, a idade está longe de ser um limite para se manter corpo e mente saudáveis, e assim, ficar longe de uma vida sedentária.

É possível planejar atividades físicas sem riscos à saúde

Sentir bem-estar: Escolha a modalidade e sobretudo a intensidade de exercício que traga prazer e boa tolerância. Ao fazer exercícios prolongados, ajuste a intensidade que permita sua comunicação verbal sem que a respiração ofegante prejudique a fala

Essa é uma forma prática de encontrar uma intensidade adequada.

Existem várias propostas que podem ser adotadas para atingir o índice mínimo de atividade física, que, segundo a Organização Mundial da Saúde, é de 30 minutos por dia, cinco vezes por semana. 

A coordenadora do Centro de Pesquisa em Alimentação Saudável da Universidade de Brasília (UnB), Kenia Mara Baiocchi salienta que atividades simples do cotidiano como subir escadas, passear com o cachorro e ir aos lugares a pé devem ser estimuladas. Quanto à prática de atividades esportivas, Kenia diz que podem ser extremamente saudáveis, mas ressaltou que as orientações quanto à freqüência e à intensidade delas "deve ficar cargo de um profissional da área". 

Turíbio Leite lembra que a prática de exercício também tem as suas contraindicações. Ele recomenda que portadores de hipertensão, diabetes ou doenças vasculares devem devem ter acompanhamento especial por parte do clínico. Segundo o fisiologista, quando a ideia é praticar exercícios moderados, como uma caminhada, "raramente vai haver uma contraindicação médica".

É importante que o exercício não seja visto apenas como uma obrigação. Se ele for visto como um sacrifício diário, será muito difícil manter uma constância na atividade, o que é fundamental para que os benefícios sejam alcançados.

A nutricionista da UnB também ressalta que o poder público tem um papel importante no sentido de motivar as pessoas a praticarem atividades físicas e evitarem o sedentarismo.

— É preciso garantir um espaço público e seguro para que as pessoas tenham opção para atividades de lazer. De nada adianta incentivar a prática de atividades físicas se a população não possui um ambiente propício para tal.

Aumentam casos de crianças obesas e com sobrepeso

Uma das maiores preocupações entre especialistas é o número cada vez maior de crianças sedentárias. Pesquisa publicada na revista The American Journal Of Clinical Nutrition quantificou as tendências de sobrepeso e obesidade — quase sempre causados pelo sedentarismo — entre crianças em idade pré — escolar, seguindo os padrões de referência da OMS.

Em 2010, 43 milhões de crianças — 35 milhões em países em desenvolvimento estavam em sobrepeso ou obesos e 92 milhões estavam em risco de sobrepeso. A prevalência mundial de sobrepeso e obesidade infantil aumentou de 4, 2% em 1990 para 6,7 % em 2010. Este número pode chegar a 9,1%, em 2020, o equivalente a 60 milhões de pessoas.

Kenia Mara Baiocchi, da UnB, diz que não há outra maneira de atenuar o problema que não seja trabalhar a questão nas escolas de forma lúdica.

— Se a criança desenvolver na escola o hábito de jogar, brincar, correr, será natural que queira também manter a prática na vizinhança 

 Segundo a nutricionista, os jogos eletrônicos, tidos como grande vilão no aumento de crianças sedentárias, tem um papel importante a desenvolver, especialmente no desenvolvimento motor e intelectual da criança.

— Basta que os pais limitem o tem despendido com videogames. A natureza da criança não é de isolamento e a atividade física permite a agregação, a competição saudável e o divertimento.

Saiba Mais

Vigitel Brasil 2009 — Sistema adotado pelo Ministério da Saúde que tem por objetivo monitorar a frequencia e a distribuição dos fatores de risco e proteção para doenças crônicas não transmissíveis — entre elas o sedentarismo — nas 26 capitais e no Distrito Federal por meio de entrevistas telefônicas. Aqui estão os dados de 2009:
http://migre.me/48nbj

  Centro de Pesquisa em Alimentação Saudável da Universidade de Brasília
http://www.unb.br/fs/casa

  Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul (SP) (Celafiscs)
www.celafiscs.com.br

  Centro de Medicina da Ativividade Física e do Esporte (Cemafe)
www.cemafe.com.br